Banner Página Inicial

Divulgação

  • Divulgação3
  • AgresteLogo
  • RWEP

As estratégias das marcas para infiltrar propaganda nas escolas brasileiras

Escrito por master.

Escola1Leticia Mori
Da BBC Brasil em São Paulo
http://www.bbc.com/

Quando tinha quatro anos, o filho de Luiza Diener voltou da escola com um recado na agenda: ele tinha feito um "pré-exame" de visão na escola, que mostrou haver uma "alteração". Junto com o recado... um folheto de propaganda de uma ótica, informando que alunos de escola pública tinham desconto.

"Eu paralisei. Como assim fez um pré-exame de vista? Não tinha vindo nenhum aviso, nenhum pedido de autorização", conta ela, criadora de um blog sobre maternidade.

"Quando fui buscá-lo no dia seguinte fui conversar com a diretora. Entrando na escola vi que perto da porta tinha um estande da ótica, um banner e um totem giratório cheio de óculos escuros e óculos de grau que as crianças estavam experimentando", recorda.

A filantropia dos capitalistas “muy amigos”

Escrito por master.

ONG“Ajuda” de bilionários e corporações à África inclui contrabando maldito: desrespeito aos direitos sociais, apoio a ditadores e, em especial, destruição das chances de desenvolvimento autônomo

Por T. Rivers | Tradução: Camila Teicher
https://outraspalavras.net/

Filantropos como Howard Buffett são os queridinhos dos jornalistas e do universo das ONG – mas será que estão mesmo ajudando a África?

Em 2015, em uma viagem a trabalho com a Fundação Mídia Internacional das Mulheres (IWMF, em inglês) na República Democrática do Congo, um jornalista local me disse: “é difícil ir a qualquer lugar no leste deste país sem dar de cara com um projeto de Howard Buffett”.

EUA: assim se constrói o apoio ao golpe no Brasil

Escrito por master.

GolpeMicrosoft. Boeing. Monsanto. Shell. Diretamente beneficiadas pelas políticas pós-2016, mega-empresas financiam agência empenhada em sustentar que mudança de regime “foi boa para o país”

Por Brian Mier, publicado originalmente em BrasilWire | Tradução: Rejane Carolina Hoeveler
https://outraspalavras.net/

Quando Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a Presidência em 2003, um de seus primeiros movimentos foi priorizar o uso de software livre para os sistemas de informática do governo federal, tanto para reduzir custos, como para aumentar a competição, criar empregos e desenvolver o conhecimento e a inteligência do país nessa área. Embora nunca tenha sido adotada por todos os ministérios, esta política, em 2010, já havia poupado dos contribuintes mais de 500 milhões de reais. Seis semanas após tomar o poder, em outubro de 2016, enquanto cortava o financiamento para mulheres vítimas de violência doméstica, de R$42 milhões para R$ 16 milhões, sob o pretexto de que não poderia arcar com este gasto, o presidente Michel Temer anunciou que o governo gastaria R$140 milhões para realizar a migração dos sistemas de computação para os produtos da Microsoft.

Mercado mundial e "globalização" capitalista

Escrito por master.

Mercado Mundialpor Carlos Carvalhas [*]
http://resistir.info/

"A guerra é um massacre entre gente que não se conhece, em proveito de gente que se conhece mas que não se massacra".
Paul Valéry

"Quem controla a alimentação controla as populações, quem controla a moeda controla o mundo".
Henry Kinssinger

O Mercado Global

No recente documento "Estratégia de Segurança Nacional dos EUA", assinado por Donald Trump e elaborado por diversos serviços da Administração, designadamente militares, é sublinhado que o objectivo central é "colocar a América em primeiro lugar para que seja segura, próspera e livre e para isso é necessário ter força e vontade para exercer a liderança dos EUA no mundo".

A era dos oceanos mortos

Escrito por master.

OceanosEstudo abrangente dos mares revela: em 60 anos, zonas costeiras sem oxigênio multiplicaram-se por dez. Além da vida marinha, fenômeno ameaça meio bilhão de pessoas. Há soluções — bloqueadas pelo poder econômico

Por Damian Carrington | Tradução: Inês Castilho
https://outraspalavras.net/

As zonas mortas no oceano, com zero oxigênio, quadruplicaram em tamanho desde 1950, enquanto o número de locais com muito pouco oxigênio perto das costas cresceram dez vezes, alertou um novo estudo científico publicado no início de fevereiro. A maioria das espécies marítimas não consegue sobreviver nessas zonas e a tendência atual levaria à extinção em massa no longo prazo, arriscando causar consequências terríveis para centenas de milhões de pessoas que dependem dos mares para viver.